o que é, sintomas e métodos de tratamento do problema

Foto do autor
Written By Livia Andrade

Lorem ipsum dolor sit amet consectetur pulvinar ligula augue quis venenatis. 

[ad_1]

iStock

A visita anual ao ginecologista é importante para manter a saúde da mulher em dia. É lá que você pode encontrar alguns problemas, por exemplo, um pólipo no útero. Para saber mais sobre este tema, consulte o Dr. Gilberto Nagahama, Ginecologista-Obstetra e Consultor do Programa Parto Seguro do CEJAM – Centro de Estudos e Pesquisas “Dr. João Amorim “:

O que é um pólipo uterino

Segundo o Dr. Gilberto, “um pólipo do útero, também conhecido como pólipo endometrial, é uma pequena formação que resulta do crescimento desigual das células endometriais”. O ginecologista comentou que “os motivos ainda não são totalmente compreendidos, mas há uma ligação com os hormônios estrogênio e progesterona”. Gilberto também destacou que se trata de lesões benignas com baixo potencial de malignidade.

5 sintomas mais comuns de um pólipo uterino

iStock

O ginecologista nomeou os principais sintomas associados à presença de um pólipo no útero. Confira quais são:

  • Ciclos menstruais irregulares;
  • Aumento do fluxo menstrual
  • infertilidade;
  • Cólicas menstruais mais intensas
  • Sangramento durante a relação sexual.

Dr. Gilberto observa que esses são “sem dúvida os sintomas mais comuns” e, portanto, se você apresentar algum desses sintomas, vale a pena marcar uma consulta com seu ginecologista de confiança.

O que um pólipo pode causar?

O ginecologista comentou brevemente sobre os possíveis problemas, complicações e consequências dos pólipos não tratados. Alguns deles são graves, enquanto outros são simplesmente prejudicados pela rotina. Elas:

  • Lagostim: “A maior complicação direta de um pólipo é o risco, mesmo baixo (de 1% a 3%), de ter câncer e não saber. Então a mensagem que fica é que todos os pólipos devem ser retirados, tendo o paciente sintomas ou não”, explicou.
  • Anemia: Segundo Gilberto, “pelo aumento do fluxo menstrual e sua irregularidade”.
  • Mal-estar: “Isso pode aumentar a ausência do trabalho ou da escola por causa de cólicas intensas”, comentou o ginecologista.
  • Infertilidade: Gilberto explicou que “os pólipos não removidos podem contribuir para a infertilidade porque dificultam a fixação do embrião no endométrio”.

O médico ressaltou que “todo pólipo do endométrio/útero deve ser examinado do ponto de vista histológico, ou melhor, celular”. Continue lendo para saber mais sobre como tratar o problema.

Tratamento de um pólipo do útero

Dr. Gilberto deixou claro que “ainda não há consenso sobre o melhor tratamento para pólipos endometriais”. No entanto, a mais recomendada e aceita pelos ginecologistas é a histeroscopia para polipectomia (remoção de pólipos). Confira mais detalhes:

Histeroscopia para polipectomia

iStock

“A histeroscopia com polipectomia (remoção de um pólipo) parece ser o método de escolha, pois além de remover a lesão, também permite avaliar o pólipo do ponto de vista celular e excluir a possibilidade de malignidade”, disse o médico. ginecologista explicou.

Regressão natural do pólipo

“É muito discutível se os pólipos endometriais podem sair durante a menstruação, porque podem ser pequenos e regredir ao ponto de não serem mais vistos no ultrassom, ou podem realmente sair com o conteúdo menstrual. Isso é muito difícil de comprovar, pois a confirmação exigirá análise do material em laboratório, o que não costuma ser feito”, citou Gilberto.

controle de ultrassom

Segundo Gilberto, “envolve o monitoramento rotineiro de pólipos menores que não acometeram o paciente, mas foram identificados por exame de rotina”.

Como você deve ter lido, um pólipo no útero precisa ser examinado e removido para evitar a possibilidade de sua degeneração em um tumor maligno. Agora aproveite e confira também o artigo sobre menstruação rosa.

Esse conteúdo foi útil para você?

SimNão

As informações contidas nesta página são apenas para fins informativos. Não substituem o aconselhamento e supervisão de médicos, nutricionistas, psicólogos, atletas e outros profissionais.



[ad_2]

Source link

Deixe um comentário